Feliz Dia do Músico!

Feliz Dia do Músico!

Datalink produz cabos para equipamentos de som e instrumentos; entre os artistas que tocam com seus cabos estão: Skank, Jota-Quest, Roupa Nova, Dr. SIN, Edu Ardanury, Eloy Casagrande (Sepultura), Vitor Kley, Neila Abrahão, Nayra Days, Beatriz Lima, Igor Willcox e muitos outros.

Embu das Artes (SP), novembro de 2023 – Neste 22 de novembro, Dia do Músico, a Datalink reforça o seu compromisso, produzindo cabos e conectores de sonorização para artistas que entregam o melhor som para o seu público. Os cabos da marca têm a qualidade e performance que todo artista precisa.

Recentemente, a Datalink colocou no mercado seu mais novo cabo montado, o Garage Acoustic para instrumentos eletroacústicos, destacadamente o violão (leia mais aqui). Segundo o gerente de vendas e guitarrista Maurício Fernandes, o novo produto veio para atender à demanda do público do eletroacústico, que quer entregar o melhor som em suas apresentações e execuções e se junta às outras linhas de cabos montados de sonorização, como o Pop, Revolution e Studio.

O Garage Acoustic passou pelo teste rigoroso e talentoso do guitarrista Thiago Melo, da banda brasileira de hard rock Dr. Sin: “Se você tem o melhor instrumento, o melhor pedal e não usa o mesmo critério na hora de escolher o cabo, tudo pode ser perdido. A música é feita nos detalhes, nas pequenas diferenças.” Veja e escute o teste do guitarrista do Dr.SIN abaixo:

 

Compromisso com a qualidade
Entre os artistas que usam os cabos da fabricante de Embu das Artes (SP), estão bandas brasileiras lendárias, como Roupa Nova, Skank e Jota-Quest, Roupa Nova, Dr. Sin, Edu Ardanury, Eloy Casagrande (Sepultura), Vitor Kley, Sidney Carvalho. Confira a galeria dos artistas da marca aqui. Os cabos da empresa também estão em grandes eventos musicais, como nos palcos do Lollapalooza, em julho de 2022.

A Datalink, desde 2015, assumiu entregar cabos de qualidade para os artistas da música. Compromisso confirmado por quem entende e faz música de qualidade, como o guitarrista e vocalista Ricardo Feghali, do Roupa Nova. Ele procurou muitos cabos confiáveis, que não cancelassem a alta frequência, mantivesse a baixa frequência no lugar e que não provocassem ruídos, “e encontramos tudo isso, no Brasil, com a Datalink. Os cabos são maravilhosos. Eu tenho um multicabo no estúdio de 36 vias e tudo funciona corretamente”.

Como explica o gerente Maurício Fernandes, um cabo que conecta uma guitarra, violão, contrabaixo, teclado, microfones ou outros instrumentos e equipamentos pode ser o “mocinho” ou o “vilão” de uma apresentação musical. Isso equivale a dizer que os cabos de sonorização são componentes indispensáveis à interligação dos equipamentos entre si e do amplificador às caixas acústicas. Por isso, ensina Fernandes, eles merecem ser escolhidos com o mesmo cuidado e atenção que instrumentos e demais equipamentos, como processador, amplificador etc. “O mesmo cuidado que temos ao escolher a marca de uma guitarra, por exemplo, precisa ser dedicado ao cabo que vai conectar esse instrumento para que a entrega daquela potência seja a mais perfeita”, indica.

Para obter a qualidade, a Datalink tem uma linha de montagem que envolve um processo cuidadoso em todas as suas fases. O lema da empresa está afixado na sua área fabril: “Nós não controlamos qualidade, nós fabricamos qualidade.”

A Datalink trabalha com insumo confiável e origem definida, que garante o resultado. Além disso, todo o processo de produção é acompanhado pelo setor de engenharia da empresa. São detalhes que fazem a diferença no produto.

Por exemplo, um cabo mais flexível da Datalink significa a utilização de um PVC emborrachado que não é reciclado. São pequenos detalhes que fazem a grande diferença e fazem da Datalink uma empresa que preza pela qualidade e por resultados, de ponta a ponta, da empresa ao cliente e consumidor.

Escute o nosso cabo
A Datalink, para confirmar a qualidade do produto que entrega, realiza o workshop “Escute o nosso cabo” em todo o Brasil junto aos clientes, como em lojas de instrumentos musicais. “A experiência realmente tem sido positiva porque o feedback dos compradores é imediato. Eles percebem, na nossa apresentação, a diferença do som com os cabos da empresa”, garante Maurício Fernandes.

Leia também
* Datalink: um show a cada som
* Dia do Baterista, músico que reúne talento, habilidade e carisma
* Tenho o rock e o heavy na veia, diz o guitarrista Gustavo Di Padua
* Datalink: comprometida com o melhor som do Rock and Roll
* Quem é esse tal de roque enrow
* O rock é minha vida, diz Andria Busic, da Dr. Sin
* Rock é liberdade e atitude!
* Garage: a melhor arte para o melhor cabo de instrumentos

Sobre a Datalink
A Datalink é uma das principais fabricantes de cabos coaxiais e conectores e desenvolvedora de sistemas de alta qualidade e performance. Empresa brasileira cujo portfólio de produtos atende a diversos segmentos econômicos e de serviços: agronegócio, automação industrial e predial, automotivo, energia solar, estética, saúde, sonorização, telecomunicações. A história da Datalink mostra a capacidade industrial e a competência da engenharia brasileira. A qualidade, a excelência e a segurança dos seus produtos são a marca da Datalink criada em 1993 e com seu complexo industrial instalado em Embu das Artes (SP). Em 2023, recebeu a certificação de ótima empresa para trabalhar, GPTW (Great Place To Work). Mais informações em
 www.afdatalink.com.br.

Informações para a imprensa
Assessoria de Imprensa Datalink
Rosângela Ribeiro Gil
imprensa@afdatalink.com.br

Datalink: comprometida com o melhor som do Rock and Roll

Datalink: comprometida com o melhor som do Rock and Roll

Fabricante brasileira produz cabos de sonorização, que são referência nacional de qualidade.

Embu das Artes (SP), quinta-feira, 13 de julho de 2023 – Nesta quinta-feira, 13 de julho, é o Dia Mundial do Rock. Para celebrar a data, a fabricante de cabos Datalink parabeniza os roqueiros brasileiros e do mundo em nome dos artistas deste gênero musical que tocam com os cabos da empresa.

O nascimento do rock and roll aconteceu nos Estados Unidos, no início dos anos 1950. Ele surge como consequência da mistura de outros gêneros musicais – jazz, folk, country e rhythm and blues (R&B) – e como forma de expressão cultural e artística dos afrodescendentes daquele país. Em razão muito da sua origem, o instrumento principal usado era o saxofone, hoje, os instrumentos musicais em evidência são a guitarra elétrica, o baixo, a bateria e o teclado.

Fernando Tavares. Crédito: Acervo pessoal.

Dessa fase inicial, destacam-se nomes como os de Little Richard e Chuck Berry e também de Bill Haley com a canção “Rock Around the Clock”, considerada a primeira gravação do gênero.

Como destaca o guitarrista e gerente de Vendas da Datalink, Maurício Fernandes, é uma data emblemática por tudo o que o rock representou e representa desde quando surgiu. “Ele é música, estilo de vida, irreverência, contestação”, afirma.

Não é à toa, destaca ele, que o rock move gerações e gerações, “ele se transforma e acompanha as mudanças sociais, mas ele será sempre o velho e bom rock and roll que traz mensagens fortes. Como diz ditado popular, ele ‘não veio a passeio’, mas para ser movimento cultural”.

Como observa o contrabaixista Fernando Tavares, da banda Apostrophe e artista da Datalink, o rock, ao longo de mais de sete décadas, não perde o vigor e atualidade porque se transforma com novas referências, técnicas e instrumentos, “que foram incorporados ao gênero, criando outras vertentes, do inicial rockabilly ao heavy metal, punk, fusion, alternativo, grunge, new wave e tantos outros. Ele tem a capacidade de se reinventar para se manter sempre vivo e atual”.

Fernando Tavares conheceu o gênero ainda criança com os pais, tios e primos mais velhos e associou a música à outra paixão, a leitura. Combinação que o levou à pesquisa e aos estudos: “Hoje, além de ser doutorando na Universidade de São Paulo (USP), coordeno grupo de pesquisa sobre rock and roll no Laboratório de Musicologia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (Lamus-EAHC-USP Leste). Fazemos análise da história, da música, do discurso e das letras do rock.”

A guitarrista Neila Abrahão, da banda Valentine, reforça que o rock é mais do que um gênero musical, “ele é uma forma de vida que combina liberdade, atitude e autenticidade e que nos encoraja a questionar e a desafiar a sermos nós mesmos”.

Neila Abrahão. Crédito: Acervo pessoal.

A paixão de Neila pelo rock começou ainda quando era criança, “ouvindo os ‘LPs’ [discos de vinil] da minha mãe do Raul Seixas e do Secos e Molhados”.

Na adolescência, lembra ela, participou de uma peça de teatro, na escola, e seu personagem entrava com uma música do Iron Maiden. “Foi paixão à primeira vista pelo rock mais pesado. Fui atrás de mais informação e pesquisei mais músicas do Iron e de outras bandas. Não larguei mais”, diz, entusiasmada.

Andria Busic. Crédito: Acervo pessoal.

Dr.Sin
A história do vocalista e baixista Andria Busic, da banda de hard rock Dr.Sin, ativa há mais de 30 anos, com o rock também se assemelha aos de Neila e Fernando Tavares: “Acho que a música está na veia da família. Passou de pai para filho. Minhas inspirações vêm desde pequeno, ouvindo meu pai André Busic, fundador e trompetista da Traditonal Jazz Band, tocar na noite”, lembra. E acrescenta: “Principalmente quando vi o Nenê [da banda “Os Incríveis”] que, à época, tocava com meu pai. Me apaixonei e assim escolhi o baixo como meu instrumento do coração.”

Andria Busic é taxativo: “O rock é minha vida. A felicidade que ele me traz torna impossível querer outra coisa. É, como eu posso dizer, “a stairway to heaven” [em tradução livre: uma escada para o céu].”

Gustavo Di Padua. Crédito: Acervo pessoal.

Rock instrumental
Nosso artista Gustavo Di Padua, também guitarrista, compositor e produtor musical, chegou aos caminhos do rock pelo pai, que viajava muito e trazia muitas novidades internacionais do mundo do rock. “Era ainda bem molequinho e já escutava Jimi Hendrix, Pink Floyd, Kiss. Meus primeiros passos musicais foram no meu tecladinho. Depois, aos 13 anos, cheguei ao violão do meu pai”, descreve.

Com mais de 26 anos de carreira sólida, Gustavo Di Padua já participou de grandes shows e festivais nacionais e internacionais, lançou o disco solo e segue na carreira com muitos projetos bacanas, como o Rock in Quinta, pelo seu canal no YouTube (@gustavodipadua).

O artista da marca Datalink obteve grande sucesso já no seu primeiro álbum solo, o instrumental “The Stairs”, em 2008, que recebeu inúmeros elogios da crítica especializada (nacional e internacional), o músico lançou o CD, “O Outro Lado”. Neste trabalho, Gustavo assume os vocais, além de assinar mais uma vez a produção.

Em seus shows, apresenta músicas de seus álbuns anteriores e do seu inovador projeto “Tem Rock No Samba”, em que faz releituras de grandes clássicos do samba em versōes rock n roll.

Som intenso
Maurício Fernandes sente uma satisfação especial ao falar da data: “Como guitarrista há mais de 30 anos vivo o rock intensamente. É divertido como as pessoas se identificam com a música, com a maneira de se vestir, sempre vejo o rock como uma união muito saudável, onde as pessoas estão ali para curtir aquele momento.”

Segundo Maurício, é com essa trajetória que a Datalink se compromete ao fabricar seus cabos de sonorização das linhas Revolution, Garage, Studio e Pop e demais acessórios para instrumentos musicais e para áudio. “Um som marcante, baseado em acordes básicos e distorções ou densos sons de bateria e baixo, precisa ser garantido com cabos de qualidade, que entreguem tudo, todos os timbres. Esse realmente é o nosso compromisso com o rock e com todos os estilos musicais dos artistas que estão com a nossa marca”, observa o gerente.

O guitarrista e gerente de Vendas da Datalink, Maurício Fernandes, no complexo industrial da empresa, em Embu das Artes (SP). Crédito: Cristina Harms Camacho.

O gerente de Vendas Maurício Fernandes hoje se sente duplamente agraciado, pois na vida pessoal e profissional trabalha com música, especialmente com o rock. “Como músico consigo mostrar a relevância de um cabo perfeito para o som perfeito. A Datalink, da mesma forma que conecta outros estilos musicais, conecta o rock com muita energia, vigor e estilo”, finaliza.

>> Para conhecer os cabos de sonorização da Datalink, acesse https://afdatalink.com.br/sonorizacao/

Quem é esse tal de roque enrow

Quem é esse tal de roque enrow

Nesta semana, a Datalink, fabricante dos melhores cabos de sonorização do Brasil, dedica-se à história do rock e de seus artistas.

Embu das Artes, quarta-feira, 12 de julho de 2023 – O Dia Mundial do Rock é celebrado em 13 de julho como forma de relembrar o dia do Live Aid, evento mundial que aconteceu em 13 de julho de 1985 com o objetivo de arrecadar fundos para acabar com a fome na Etiópia. O festival foi organizado por Bob Geldof e Midge Ure. Vários artistas participaram das apresentações: Queen, U2, Paul McCartney, Dire Straits, Sting entre outros.

O nascimento do rock and roll aconteceu nos Estados Unidos, no início dos anos 1950. Ele surge como consequência da mistura de outros gêneros musicais – jazz, folk, country e rhythm and blues (R&B). E também como forma de expressão cultural e artística dos afrodescendentes daquele país. Em razão muito da sua origem, o instrumento principal usado era o saxofone, hoje, os instrumentos musicais mais utilizados são a guitarra elétrica, o baixo, a bateria e o teclado.

Dessa fase inicial do rock, destacam-se nomes como os de Little Richard e Chuck Berry e também de Bill Haley com a canção “Rock Around the Clock”, considerada a primeira gravação de rock.

Quem é ele? Quem é ele?
Esse tal de roque enrow
Uma mosca, um mistério
Uma moda que passou
Ele, quem é ele?
Isso ninguém nunca falou
[Rita Lee, “Esse tal de roque enrow”]

Uma história que está na vida pessoal, profissional e acadêmica do nosso artista Fernando Tavares, contrabaixista da banda Apostrophe, de rock progressivo. “Tive contato com o rock ainda criança por causa dos meus pais, tios e primos mais velhos. Também, desde criança, sempre gostei muito de ler. Por isso, além de ouvir, lia sobre as bandas”, diz.

Aos 15 anos de idade, lembra Tavares, começou a tocar contrabaixo por causa de John Richard Deacon, baixista e um dos compositores da banda inglesa Queen. Aos 18 anos, ele decidiu ser músico em bandas, tocando vários estilos, do som mais pesado, como o heavy metal, ao atual, o rock progressivo.

A música, todavia, sempre esteve associada ao estudo e à pesquisa na vida de Fernando Tavares. O que o fez pesquisar sobre música colonial na Universidade de São Paulo (USP). Hoje, além de ser doutorando na mesma instituição de ensino, ele coordena grupo de pesquisa sobre rock and roll no Laboratório de Musicologia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (Lamus-EAHC-USP Leste). “Fazemos análise da história, da música, do discurso e das letras do rock”, explica ele.

Fernando Tavares, contrabaixista da banda Apostrophe e pesquisador sobre a história do rock. Crédito: Arquivo pessoal.

Breve linha do tempo do Rock and Roll pelo nosso artista e professor Fernando Tavares:

Década de 1950
Nascimento do rock pela mistura de três gêneros musicais: Blues, Country e Jazz. Os primeiros grandes artistas do rock são os negros, como Little Richard e Chuck Berry. Temos, ainda, o Bill Haley e o grupo Comets, que lançam a canção “Rock Around the Clock”, considerada primeira gravação desse estilo. Ainda nesse período, vamos ter o Elvis Presley e o Buddy Holly. Considerado o primeiro grande momento do rock e definido como o Classic Rock.

No Brasil, a entrada do rock and roll se dá no final da década de 1950 com a Celi Campello. Nunca tivemos muito delay ou defasagem em relação ao mercado internacional da música.

Década de 1960
No início dessa década, entre 1963 e 1964, vamos ter o que se define como a “Invasão Inglesa” no rock, que não é feita apenas com os Beatles, mas também com The Animals, Rolling Stones e The Kinks.

A “Invasão Britânica” foi um fenômeno cultural quando artistas de rock e pop do Reino Unido se tornaram populares nos Estados Unidos e significantes para a crescente “contracultura” de ambos os lados do Atlântico.

Nesse momento, o rock and roll passa a ser a grande música. Em 1967, temos o lançamento do emblemático disco dos Beatles, Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band.

Também será a fase dos grandes festivais que reúnem milhares de jovens, destacadamente o famoso festival de Woodstock [1969] e o da Ilha de Wight [originalmente entre 1968 e 1970].

Será mais para o fim dos anos 1960, que começamos a ver outros artistas incorporando o rock em sua música, como o jazzista Miles Davis e o multi-instrumentista Frank Zappa, mais da linha da música erudita. Dessa combinação vai nascer outro estilo de rock, o fusion.

No Brasil, nos anos 1960, temos o movimento da Jovem Guarda e, no final da mesma década, temos o surgimento dos Mutantes, que é o grande marco do rock nacional, bem interessante e totalmente sintonizado com o movimento mundial. Até hoje o grupo Mutantes é respeitado lá fora, como uma das grandes bandas de rock progressivo. Dessa época, destaco, ainda, as bandas Terço e Terreno Baldio.

Quem é ele? Quem é ele?
Esse tal de roque enrow
Um planeta, um deserto
Uma bomba que estourou
Ele, quem é ele?
Isso ninguém nunca falou
[Rita Lee, “Esse tal de roque enrow”]

Década de 1970
A virada dos anos 1960 para a década de 1970 marca o retorno do rock mais direto e primitivo. Vamos ter como destaque bandas de rock blues: Cream [supergrupo de rock britânico formado por Eric Clapton, Jack Bruce e Ginger Baker], Jimi Hendrix Experience, Led Zeppelin. Mas também de uma linha mais pesada, de Deep Purple, o Black Sabbath, KISS e Aerosmith; e de um rock progressivo, estilo mais elaborado, sonoridade do jazz e da música clássica, Yes, Genesis, Emerson, Lake & Palm. Pink Floyd, mais psicodélico.

A partir de 1974, vamos ter a explosão do punk que vem de Nova York, a partir da influência do The Velvet Underground; e, na Inglaterra, o surgimento do Sex Pistolls.

O punk rock será um grande advento da música popular no final dos anos 1970. Ele vai tirar a complexidade do rock progressivo, com o conceito do “faça você mesmo”. Expoentes desse estilo temos, ainda, as bandas The Ramones e Iggy Pop & The Stooges.

No Brasil, também vamos ter as bandas mais pesadas, como a Casa das Máquinas.

Década de 1980
Nessa década, vamos ter o movimento que ficou conhecido como new wave ao lado do punk. O termo inclui diversos estilos musicais orientados ao pop. Esse som começa com a banda britânica Joy Division. Grande nome desse estilo será Billy Idol, considerado um dos artistas principais.

Mas nos anos 1980, também vamos ter várias vertentes de rock, como o hard rock muito forte com Bon Jovi e Guns N´Roses. Vamos ter o rock gótico e o Alternative Rock inglês, com o The Smiths e o The Cure. E tem ainda o R.E.M., banda americana que faz o circuito universitário.

A década de 1980 também será a grande fase do heavy metal, representado por bandas como Iron Maiden, Metallica, Megadeth, Judas Priest e muitas outras. No Brasil, temos o Sepultura como o maior expoente dessa vertente.

Importante, nesse período, falar sobre o “Rock Br” [rock brasileiro] que tem como expressão significativa as bandas Titãs, Capital Inicial, Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, entre outras.

Também nessa década, em 1981, surge a emissora de televisão MTV [Music Television], nos Estados Unidos. Canal que revolucionou a indústria musical mundial.

Década de 1990
Década que terá mais um grande boom do rock and roll na mídia. O rock como mainstream [palavra inglesa que expressa uma tendência ou moda principal e dominante]. Fase que se deve muito à explosão da MTV como canal para jovens e adolescentes e com a veiculação dos videoclipes.

Vai ser o momento principal do grunge, subgênero do rock alternativo que surgiu no final da década de 1980 no estado americano de Washington, principalmente em Seattle, inspirado pelo hardcore punk, heavy metal e indie rock.

O termo grunge [palavra em inglês que tem um significado próximo a sujo] indica características musicais com o menor cuidado na polidez do som e a criação de letras relacionadas à depressão e angústia. Algumas importantes bandas do grunge: Pearl Jam, Nirvana, Alice In Chains, destacadamente.

A última década do século XX, ainda garantirá palco para outros estilos de rock, como Red Hot Chili Peppers, Dream Theater, Green Day e Foo Fighters.

No Brasil, na virada dos anos 2000, teremos uma nova geração no Rock N'Roll com o surgimento de bandas como Charlie Brown Jr., Raimundos, Pitty, CPM 22 e outras bandas importantes.

Dos anos 2000 aos tempos atuais
No início do século atual, o rock começou a perder grande parte de seu espaço para o pop. Contudo, uma nova vertente do estilo, a qual relaciona o rock com a diversidade da música, surgiu. Assim, se tornou um elemento crucial para os roqueiros do século XXI a aceitação da heterogeneidade e a exaltação de toda a história do rock.

O bom e velho rock n’ roll é muito mais que um gênero musical, ele representa um traço da história, de uma cultura e de um estilo de vida.

O rock é minha vida, diz Andria Busic, da Dr. Sin

O rock é minha vida, diz Andria Busic, da Dr. Sin

Com uma carreira consagrada, artista da marca Datalink faz hard rock há mais de 36 anos.

 

Embu das Artes, terça-feira, 11 de julho de 2023 – Para celebrar o Dia Mundial do Rock, neste 13 de julho, a Datalink traz a história de grandes artistas brasileiros desse estilo musical, que surgiu na década de 1950, nos Estados Unidos, com influências do jazz, do blues e do country, e que tem, nessa fase inicial, nomes emblemáticos como Little Richard e Chuck Berry.

Andria Busic é músico, cantor e produtor musical brasileiro. Atualmente, é vocalista e baixista na banda de hard rock Dr. Sin. “O rock é minha vida. A felicidade que ele me traz torna impossível querer outra coisa. É, como eu posso dizer, “a stairway to heaven” [em tradução livre: uma escada para o céu]”, diz.

Busic também é artista da marca Datalink, usa os cabos de sonorização em suas apresentações.

A música está na veia da família. Passou de pai para filho. “Minhas inspirações vêm desde pequeno, ouvindo meu pai André Busic, fundador e trompetista da Traditonal Jazz Band, tocar na noite”, lembra. E acrescenta: “Principalmente quando vi o Nenê [da banda “Os Incríveis”] que, à época, tocava com meu pai. Me apaixonei e assim escolhi o baixo como meu instrumento do coração.”

A lista de inspirações é grande, afirma Andria Busic, mas cita Deep Purple, Led Zeppelin, Beatles, Queen, Kiss, “são muitos que me fizeram amar o estilo e são minhas inspirações até hoje”.

Andria e seu irmão Ivan Busic, em 1984, formaram, na capital paulista, a banda Prisma com o guitarrista Daril Parisi, que mais tarde se transformou na banda de hard rock Platina, também com Ivan (bateria), Andria (baixo e votal) e Sergio Sêman (vocal). “Foi uma verdadeira escola e uma época onde aprendemos demais”, fala, exultante.

Outras bandas estiveram na vida de Andria, como a Slogan, que depois se tornou na Cherokee. “Nessa época, eu e o Ivan fomos convidados pelo Wander Taffo [ex-Rita Lee e Rádio Taxi] para gravarmos seu trabalho solo que depois se transformou na banda Taffo”, recorda.

Andria Busic, em 1991, integrou o grupo Ultraje A Rigor e gravou o álbum “Por que Ultraje a Rigor” e também gravou álbum com o Supla. No mesmo ano, os irmãos Busic formam a banda Dr. Sin junto com o guitarrista Eduardo Ardanuy (ex-Chave do Sol e Anjos da Noite).

A banda brasileira de hard rock completou 30 anos em 2021 e continua na ativa. A formação atual conta com os irmãos Busic e o guitarrista Thiago Melo. “São mais de 30 anos com essa banda que amo demais. Para comemorar a data, estamos lançando no mês do Rock, o DVD Dr.Sin acústico com participações mais do que especiais. Esperamos ver todos nossos fãs e amigos nos shows, como sempre, para celebrarmos e curtirmos juntos!”, comemora.

Andria Busic finaliza com uma declaração explícita de paixão: “God gave Rock'n roll to everyone [em tradução livre: Deus deu Rock and roll para todos]. Um grande beijo no coração de todos.”

Siga nosso artista Andria Busic no Instagram – @andriabusic

 

Andria Busic. Crédito: Acervo pessoal.

Rock é liberdade e atitude!

Rock é liberdade e atitude!

Ritmo traz sempre muita irreverência e contestação.

Embu das Artes, segunda-feira, 10 de julho de 2023 – Nesta semana, temos o Dia Mundial do Rock, 13 de julho. Para celebrar esse gênero musical que nasceu, entre as décadas de 1940 e 1950, no Estados Unidos, e logo se espalhou pelo mundo, vamos trazer um pouco a história de alguns dos artistas do rock que estão com a Datalink.

Iniciamos com a guitarrista Neila Abrahão, que também integra a banda Valentine. Para ela, mais do que um gênero musical que nasce de uma mistura de ritmos afrodescendentes principalmente, como o jazz, o folk e o rhythm and blues (R&B), o rock é uma forma de vida que combina liberdade, atitude e autenticidade.

Com a palavra, nossa artista do rock!

Liberdade e atitude
O Rock and Roll é muito mais que um gênero musical. O rock é atitude, energia contagiante, liberdade de expressão. É uma música que influenciou diversas dimensões da cultural social, da moda ao comportamento. Para mim, é realmente um estilo de vida marcado pela autenticidade e liberdade que nos encoraja a questionar e a desafiar a sermos nós mesmos.

Inspirações
Inspiro-me em bandas e guitarristas que trazem as influências do heavy metal, do hard rock e do blues. Cito alguns, mas, com certeza, ainda deixo muita gente boa fora dessa pequena relação: ACDC, Led Zeppelin, Guns Roses, Van Halen, Black Sabbath, Iron Maiden, Pantera, Judas Priest, Metallica, Yngwie Malmsteen, Eddie Van Halen, Jimmy Page, Stevie Ray Vaughan, e muitos outros.

Roqueira desde criança
Minha trajetória no rock começou ainda quando eu era criança, ouvindo os “LPs” [discos de vinil] da minha mãe do Raul Seixas e do Secos e Molhados.

Na adolescência, na escola, participei de uma peça de teatro e o meu personagem entrava com uma música do Iron Maiden que um colega de classe me apresentou. Foi paixão à primeira vista pelo rock mais pesado. Fui atrás de mais informação para conhecer e pesquisei mais músicas do Iron e de outras bandas. Não larguei mais.

Paralelo a isso, comecei a dar aula de violão e curtia muito as bandas de rock nacional, como Titãs, Legião Urbana, Capital Inicial, Paralamas do Sucesso, Ultraje a Rigor etc.

Como me apaixonei pelo som das guitarras do Iron e das guitarras com distorção das bandas que eu estava conhecendo, comecei a estudar guitarra, fui a muitos shows e festivais de bandas internacionais.

Banda Valentine
Depois de um tempo, já estava tocando com bandas e, até hoje, amo, ouço, toco, componho, faço shows e tenho minha banda de rock, a Valentine. Banda de som autoral e composta por quatro mulheres.

O rock faz parte da minha vida profissional e pessoal e quem me acompanha nas minhas aulas, nos meus shows e workshops etc., percebe a qualidade total do som que faço. E isso devo aos cabos da linha de sonorização da Datalink, que me acompanham sempre. É uma honra fazer parte da família Datalink.

>> Para quem quer conhecer e acompanhar o som da Neila e do grupo Valentine, basta seguir no Instagram @neilaabrahao e @valentine_oficial e no Facebook Neila Abrahão e Valentine oficial.

>> Escute as músicas da banda Valentine no Spotfy e no Deezer, como Valentine – Tudo vai mudar.

O que a música uniu, a Datalink não separa

O que a música uniu, a Datalink não separa

Casal endorse da marca, Bia e Ulysses falam como se conheceram e os projetos musicais que tocam juntos.


Neste 12 de junho, Dia dos Namorados, a Datalink shippa todos os casais in love. Em qualquer cenário romântico, a música é quase um idioma de sentimentos amorosos e apaixonados. Que o diga o casal Beatriz Lima e Ulysses Sebastião, nossos parceiros da
linha de cabos de sonorização. Ela, baixista, é endorse da marca há dois anos; ele, baterista, desde 2016.

As vantagens dos cabos da Datalink, afirma Bia, são muitas: “Utilizo os cabos em todas as ocasiões, nas apresentações, no estúdio, nas aulas. Os cabos da empresa me entregam todos os timbres e, no contrabaixo elétrico, sonoridades mais graves, inclusive.”

Já Ulysses lembra que começou com a marca, em 2016, ao ser convidado para tocar no stand da Datalink, na ExpoMusic [feira internacional de música de São Paulo]. São os melhores cabos do Brasil, sem dúvidas nenhuma. Asseguro. Com eles, não tem ruído nem conexão ruim. Os cabos da Datalink fazem toda a diferença na minha vida musical.”

História de cinema
Juntos há mais de dez anos, Bia e Ulysses se conheceram numa cena musical na Igreja Católica. Bia diz que o encontro do casal renderia um filme. Ela descreve:

“Nos conhecemos em um evento da Igreja Católica. Ulysses estava preparando um aluno de bateria que participaria desse evento e eu, por coincidência, faria minha estreia no baixo-elétrico. Cheguei atrasada e me disseram que o baterista que tocava conosco não poderia comparecer. Aí, falaram que tinha um baterista profissional no local. Quem era? O próprio, o Ulysses. Ele aceitou na hora ajudar a nossa banda. Quando subi ao palco ele já estava posicionado. Então, disse que iria ficar mais próximo dele porque baixo e bateria precisam estar em sintonia. Foi muito legal. Fizemos o show como se já tocássemos juntos há anos. Foi assim que nos conhecemos. As primeiras palavras que trocamos foi realmente a própria música.”

Um encontro que se transformou em projetos musicais e, depois, em parceria de sucesso com a Datalink. O casal mantém duas empresas, a Escola e Cerimonial D´Brothers. “Nos nossos eventos musicais, nos nossos shows, estamos sempre com os cabos da Datalink, que nos garantem qualidade e entregam todos os timbres, e não nos causam nenhum problema de conexão”, afirma Ulysses.

Parceria de vida
O casal até tentou separar o profissional do pessoal, mas não foi bem isso que aconteceu. Quem fala é o Ulysses:

“Tentamos separar o profissional do particular, mas é bem difícil. Até porque unidos conseguimos manter nossas duas empresas. Temos muitas ideias diferentes, mas isso também nos faz ver e entender assuntos de maneiras diferentes. O amor que temos um pelo outro, com certeza, é o elo do nosso dia a dia e que nos deixa fortes para enfrentar dificuldades, desafios e também os momentos de alegria, com toda a certeza. Sempre tentamos guardar um tempinho para “nós” e isso é muito importante.”

A playlist do casal tem músicas de estilos diferentes, mas que embalam, como dizem, todo tipo de amor, do mais roqueiro ao romântico. Bia e Ulysses indicam:

“Gostamos de “Goodnight kiss”, de Dream Theater, do “Body and Soul”, de John Green; do clássico “Isn´t she lovely”, do Steve Wonder. E tem, ainda, a música tocada no nosso casamento, o “Por você”, canção do Barão Vermelho.”

Beatriz e a música
Iniciei meus estudos musicais com alguns amigos da Igreja [católica]. Tive a sorte de encontrar pessoas muito bacanas que me influenciaram e me ajudaram nessa trajetória. Em pouco tempo, já estava tocando violão na Igreja. Com 17 anos de idade comecei a tocar baixo na Igreja. Na época, nem sabia que existia o baixo [rsrsrs], mas me encantei pelo instrumento. Tanto que passei na Escola de Música do Estado de São Paulo – Tom Jobim (Emesp) e estudei seis anos com os mestres Gabriel Bahlis e Itamar Collaço.

Já fiz alguns trabalhos temporários quando adolescente, vendedora e distribuição de propaganda, mas quando definitivamente coloquei a música em primeiro plano, consegui saltar voos que nunca imaginei, sou muito grata por isso. Com 18 anos a música já era o meu único trabalho.

Ulysses e a música
Meu primeiro contato com a música foi com o violão do meu segundo irmão mais velho – somos um total de cinco irmãos, todos músicos! – que ganhou de nossa avó materna. Como ele era o único que ganhou de presente, nosso pai fez questão de dar para cada um violão também. Iniciamos na música tocando violão na Igreja. Daí, surgiu a ideia de cada um ir para um instrumento formando assim uma banda, inclusive daí surgiu o nome D’ Brothers. Aos 17 anos de idade entrei na antiga Universidade Livre de Música Tom Jobim (ULM), atualmente Emesp. Em seguida e de forma paralela à faculdade de música, sou baterista e maestro da orquestra e coral nos eventos que promovemos na empresa. Sou muito realizado profissionalmente, além de estar acompanhado de uma grande mulher que é a Beatriz. Sou grato à Deus e às oportunidades que tive e que tenho na vida.

Siga o casal e a Datalink no Instagram
Beatriz Lima – @limabeatriz.bass
Ulysses Sebastião – @ulyssessebastiao
Datalink – @datalink1993